No imperdível filme “Eu não sou o seu guru“, Toni Robbins disse mais ou menos assim:

–  “Você pode ter força espiritual, meditar todos os dias e ser o melhor nisso, mas se não sabe se relacionar, não evoluiu nada.”

E essa é a mais pura verdade!
O que mais vemos por aí é uma galera grande se achando evoluído porque tem uma religião, porque faz caridade, porque faz Yoga, porque é vegetariano, porque medita…
E a moda virou tirar foto fazendo poses maravilhosas de posturas lindas, em lugares mágicos, fazendo mudras, com os indicadores unidos na meditação, fotos “uau” de invertidas (de cabeça para baixo)…
E a galera vibra! E se acham super evoluídos mesmo!

Mas como eu sempre digo aqui, amores…
O que nos faz crescer e evoluir são as nossas relações. São elas que nos mostram verdadeiramente quem somos.

De nada adianta fazer tudo isso, se ainda não sabemos nos relacionar e se não estivermos conscientes de que essa é a única forma de crescer.
Porque meditar é fácil! Frequentar casas espirituais também! Ser generoso dentro dos templos é mais fácil ainda!

O difícil é trazer tudo isso pro dia a dia, nas relações. Porque nelas experimentamos intimidade e na intimidade as nossas vulnerabilidades são expostas. É aí que mostramos mesmo quem somos. É aí que as nossas sombras aparecem. E é aí, no dia a dia das relações que podemos nos trabalhar para melhorar.

Nesse momento da intimidade, as mentiras que contamos pra nós e pro mundo, não se sustentam. Aí não tem meditação, Yoga, ou Espiritualidade que sustente as nossas mentiras.

É claro que tudo isso nos conduz a um lugar melhor de nós mesmos. É maravilhoso fazer tudo isso. Mas não basta! Todas essas coisas são parte do caminho, parte do caminhar. Todas essas formas de nos acessarmos fazem parte da teoria, mas a prática mesmo são os relacionamentos.

Não basta meditar todo dia e se aborrecer constantemente com o(a) companheiro(a), ou com os filhos, ou com os pais.
Não basta se espiritualizar, fazer caridade e tratar mal o porteiro, o garçom, o caixa do supermercado.

E não basta achar que somos maravilhosos e seres elevados, se não conseguimos saber, de verdade, quem somos. Não adianta fazer de conta que está se aprofundando, quando na verdade o olhar só fica na superfície, colocando a responsabilidade de tudo nos outros.

O nome que se dá a todas essas pegadinhas é Ego Espiritual. E o mundo tá cheio deles. Pessoas que até têm uma boa intenção de transformação, mas que na maioria das vezes não conseguem reconhecer seus erros, suas falhas e vão colocando as responsabilidades daquilo que não deu certo, no outro.

Então, é preciso estarmos atentos ao nosso ego espiritual. É preciso estarmos atentos a quem somos e o que lá no fundo desejamos.
É preciso reconhecer que se nos julgamos melhores e/ou mais evoluídos porque não comemos carne, porque produzimos menos lixo, porque andamos de bicicleta ou por qualquer outra coisa, tudo o que não somos é evoluídos. Porque seres evoluídos não se comparam e não competem. Eles são o que são, sabem disso e não precisam provar pra ninguém.

E se você descobriu que seu ego espiritual está gritando aí dentro, que bom! Fique feliz por estar se tornando consciente dele. Porque é só através dessa consciência que podemos melhorar.

Seja bem vindo ao mundo dos que são de verdade!!!