Os alertas de proteção que o corpo emite.

Se o corpo é um imenso alto-falante, a dor é um alarme indicando que tem alguma coisa errada. E quando esse “desperta-dor” toca? Você acorda com o barulho e levanta, não escuta (ou finge), desliga e volta a dormir, ou aperta o modo soneca, ficando infinitamente no “só mais 5 minutos”?

Muitos desses alarmes não precisam ser acionados, ao invés criá-los e depois ter que desligar (com ações mais extremas como cirurgias), adiar com o modo soneca (com o uso de analgésicos e antiinflamatórios), pratique exercícios, se alongue, alimente-se bem, cuide de sua saúde física, emocional, mental e espiritual. Se acontecer uma coisa inesperada, como uma batida em um objeto, o alarme soará como uma forma de proteção. E quando alarmes disparam sem nenhuma explicação aparente?

Quando você cuida de sua saúde como um todo, pequenos alarmes disparam como um aviso de cuidado, e são apagados assim que o problema é resolvido. Se seu despertador vive gritando “dor!”, baixinho no caso daqueles pequenos incômodos, escandalosamente com dores que lhe deixam de cama. Se vai constantemente aos médicos, já tentou inúmeras possibilidades de tratamento, e no máximo consegue um alívio temporário, é preciso desativar esses alertas que são disparados sem necessidade.

É justamente isso que o RFA (Resgate de Fractais de Alma) faz, desabilita os alertas inúteis que ficaram registrados no seu subconsciente, e que vira e mexe disparam. Quando esses alarmes obsoletos tocam, você acaba entrando na frequência da dor, pois ficaram associados com memórias de dor. Ao deletar esses alarmes antigos, aquela energia desperdiçada passa a ser empregada nos mecanismos que garantem sua saúde integral.

JP Paixão
Facilitador de RFA