Feminino e Masculino em ressonância.

Homens desse lado, mulheres do outro. Mulher senta assim, homem não faz isso. Pega mal pra mulher, pega mal pra homem… E seguem os condicionamentos, as formatações e castrações que só separam e afastam mais a pessoa de si mesma. Seu corpo não lhe define, o que existe entre as pernas não limita e não impõe quem você é.

Existe o sagrado feminino, existe o sagrado masculino. Essas duas polaridades compõem homens e mulheres, não são opostas, são complementares. O que não depende da orientação sexual, pois há quem não tenha nenhuma, e nem por isso se torna “neutro”. Consagrar sua existência é fazer valer sua experiência, aceitar seu jeito único, mais que macho ou fêmea, menino ou menina, mais até que humano, SER.

Por milhares de anos o ser humano vive em guerra, oprimindo, se submetendo, impondo, causando dor, sofrendo sua própria dor. Mulheres violentadas, homens castrados, amores impossíveis, histórias mal contadas. A sociedade escarneceu, a religião torturou, a família renegou… Contudo, estamos evoluindo, quebrando tabus, rompendo barreiras, evoluindo, jogando fora os velhos padrões e crenças.

Com tantos traumas gerados, ainda carregamos muitas marcas. Dificuldade em sentir e se permitir prazer, no sexo e na vida. Medo de amar, medo de ser verdadeiro, medo do outro. Com a ajuda do RFA (Resgate de Fractais de Alma) limpamos essas frequências de dor e sofrimento que fragmentam nossa alma, que corrompem essas sagradas polaridades.

JP Paixão
Facilitador de RFA